Recomendações de Segurança para o relatório: A-088/CENIPA/2016 / PTCFE

Dados da Ocorrência
29/05/2016
16:30:00 UTC
CORUMBAÍBA - GO
DESTRUÍDA
PTCFE - AVIÃO
PIPER AIRCRAFT
PA-28-160
ACIDENTE

Histórico da Ocorrência

A AERONAVE DECOLOU DA PISTA DE POUSO EVENTUAL DE CORUMBAÍBA, GO, ÀS 09H00MIN DO DIA 29MAIO2016, A FIM DE REALIZAR VOOS PANORÂMICOS DE, APROXIMADAMENTE, 10 MINUTOS, COM PASSAGEIROS QUE ESTAVAM PRÓXIMOS AO LOCAL. OS ADMINISTRADORES DA AERONAVE SABIAM QUE O ANIVERSÁRIO DA CIDADE SERIA NO DIA SUBSEQUENTE, E QUE PROVAVELMENTE A CIDADE ESTARIA COM MAIS PESSOAS QUE O NORMAL, DEVIDO ÀS FESTIVIDADES. POR ESSE MOTIVO, DECIDIRAM REALIZAR OS VOOS, PREVENDO UMA GRANDE QUANTIDADE DE PASSAGEIROS. HAVIA DOIS AJUDANTES, QUE FICAVAM NO SOLO, RESPONSÁVEIS POR RECOLHER A QUANTIA DE R$60,00 DE CADA PASSAGEIRO, E REALIZAR O EMBARQUE E DESEMBARQUE. O LOCAL ONDE AS PESSOAS SE CONCENTRAVAM FICAVA NA LATERAL DA PISTA, APROXIMADAMENTE 30 METROS DA CABECEIRA 19. AS DECOLAGENS FORAM REALIZADAS SEM NENHUM TIPO DE REGISTRO (PLANO DE VOO/NOTIFICAÇÃO). A METEOROLOGIA NA OCASIÃO ERA FAVORÁVEL AO VOO VISUAL. SEGUNDO RELATOS, O PILOTO EXECUTOU, ÀS 13H30MIN, A SEXTA DECOLAGEM DO DIA COM 3 PASSAGEIROS À BORDO. POR MEIO DE FILMAGEM REGISTRADA POR TESTEMUNHA NO LOCAL, APÓS A DECOLAGEM DA CABECEIRA 19, O PILOTO REALIZOU UMA RÁPIDA ASCENÇÃO, SEGUIDA DE CURVA DE GRANDE INCLINAÇÃO, E RETORNOU AO EIXO DA CABECEIRA 01 A FIM DE EXECUTAR UMA PASSAGEM A BAIXA ALTURA. APÓS A PASSAGEM BAIXA, A AERONAVE INICIOU UMA SUBIDA COM GRANDE ÂNGULO DE ARFAGEM (PITCH), VINDO A PERDER SUSTENTAÇÃO NO TOPO DA MANOBRA. COMO CONSEQUÊNCIA, HOUVE O BAIXAMENTO DA ASA DIREITA E A ENTRADA EM PARAFUSO. A PERDA DE SUSTENTAÇÃO OCORREU A, APROXIMADAMENTE, 6 SEGUNDOS APÓS O INÍCIO DA RECUPERAÇÃO DA PASSAGEM BAIXA. APÓS A ENTRADA EM PARAFUSO, A AERONAVE REALIZOU UM GIRO DE, APROXIMADAMENTE, 90º SOB O SEU EIXO LONGITUDINAL E, APÓS 7 SEGUNDOS DEPOIS DA PERDA DE SUSTENTAÇÃO, VEIO A COLIDIR COM O SOLO, CERCA DE 200 METROS APÓS A CABECEIRA 19. A AERONAVE FICOU DESTRUÍDA. HOUVE FOGO APÓS O IMPACTO. O PILOTO E OS 3 PASSAGEIROS SOFRERAM LESÕES FATAIS. O PILOTO NÃO POSSUÍA HABILITAÇÃO DE PILOTO COMERCIAL (PC), PORTANTO NÃO PODERIA EXECUTAR VOOS PANORÂMICOS REMUNERADOS. O PILOTO NÃO POSSUÍA AUTORIZAÇÃO DA ANAC PARA REALIZAÇÃO DAS MANOBRAS ACROBÁTICAS. EM FUNÇÃO DA FILMAGEM LEVANTADA DURANTE A INVESTIGAÇÃO DA OCORRÊNCIA, É POSSÍVEL AFIRMAR QUE A MANOBRA ACROBÁTICA LEVOU A UMA SITUAÇÃO DE ESTOL E PERDA DE CONTROLE, OCASIONANDO O IMPACTO CONTRA O SOLO. EM RELAÇÃO À OPERAÇÃO DE VOOS ACROBÁTICOS, O ITEM 91.303, DA SUBPARTE D - OPERAÇÕES ESPECIAIS, DO REGULAMENTO BRASILEIRO DE HOMOLOGAÇÃO AERONÁUTICA N° 91 (RBHA 91) PRECONIZAVA: "RBHA 91 SUBPARTE D - OPERAÇÕES ESPECIAIS DE VOO 91.303 - VOOS ACROBÁTICOS NENHUMA PESSOA PODE OPERAR UMA AERONAVE EM VOOS ACROBÁTICOS: (A) SOBRE QUALQUER ÁREA DENSAMENTE POVOADA DE UMA CIDADE, VILA OU LUGAREJO; [...] [...] (C) DENTRO DOS LIMITES LATERAIS DOS ESPAÇOS AÉREOS CLASSE B, CLASSE C, CLASSE D OU CLASSE E DESIGNADOS PARA UM AERÓDROMO; [...] [...] (E) ABAIXO DE 1500 PÉS DE ALTURA. [...] [...] PARA OS PROPÓSITOS DESTA SEÇÃO, VOO ACROBÁTICO SIGNIFICA QUALQUER MANOBRA INTENCIONAL ENVOLVENDO MUDANÇAS BRUSCAS NA ATITUDE DA AERONAVE OU ATITUDES E/OU ACELERAÇÕES NÃO NECESSÁRIAS AO VOO NORMAL". O PILOTO NÃO POSSUÍA HABILITAÇÃO DE PILOTO COMERCIAL (PC), PORTANTO NÃO PODERIA EXECUTAR VOOS PANORÂMICOS REMUNERADOS. O PILOTO NÃO POSSUÍA AUTORIZAÇÃO DA ANAC PARA REALIZAÇÃO DAS MANOBRAS ACROBÁTICAS. EM FUNÇÃO DA FILMAGEM LEVANTADA DURANTE A INVESTIGAÇÃO DA OCORRÊNCIA, É POSSÍVEL AFIRMAR QUE A MANOBRA ACROBÁTICA LEVOU A UMA SITUAÇÃO DE ESTOL E PERDA DE CONTROLE, OCASIONANDO O IMPACTO CONTRA O SOLO. EM RELAÇÃO À OPERAÇÃO DE VOOS ACROBÁTICOS, O ITEM 91.303, DA SUBPARTE D - OPERAÇÕES ESPECIAIS, DO REGULAMENTO BRASILEIRO DE HOMOLOGAÇÃO AERONÁUTICA N° 91 (RBHA 91) PRECONIZAVA: "RBHA 91 SUBPARTE D - OPERAÇÕES ESPECIAIS DE VOO 91.303 - VOOS ACROBÁTICOS NENHUMA PESSOA PODE OPERAR UMA AERONAVE EM VOOS ACROBÁTICOS: (A) SOBRE QUALQUER ÁREA DENSAMENTE POVOADA DE UMA CIDADE, VILA OU LUGAREJO; [...] [...] (C) DENTRO DOS LIMITES LATERAIS DOS ESPAÇOS AÉREOS CLASSE B, CLASSE C, CLASSE D OU CLASSE E DESIGNADOS PARA UM AERÓDROMO; [...] [...] (E) ABAIXO DE 1500 PÉS DE ALTURA. [...] [...] PARA OS PROPÓSITOS DESTA SEÇÃO, VOO ACROBÁTICO SIGNIFICA QUALQUER MANOBRA INTENCIONAL ENVOLVENDO MUDANÇAS BRUSCAS NA ATITUDE DA AERONAVE OU ATITUDES E/OU ACELERAÇÕES NÃO NECESSÁRIAS AO VOO NORMAL".

FATORES CONTRIBUINTES

FATOR NÍVEL CONTRIBUIÇÃO

RECOMENDAÇÕES DE SEGURANÇA

NÚMERO RS DATA RECOMENDAÇÃO(ÕES) DESTINATÁRIO